Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Afinal, o que é uma modelo plus-size?

Olá meninas, 

como é mais que a nossa função obrigatória, queremos expor aqui no blog Mulher XL quais são, afinal, os tamanhos (“manequins”) oficiais para a moda plus-size, ou o que é isto, afinal, de ser modelo plus-size. Pesquisámos bastante, no entanto, não chegámos a nenhuma conclusão, pois pelos vistos não existe ainda uma “tabela” ou “limites” oficiais e reconhecidos para que alguém seja ou não considerado modelo plus-size. 

Assim sendo, e em falta de informação oficial, resolvemos basear-nos em exemplos e casos reais, bem como expomos a nossa opinião pessoal. 

Antes de mais, é preciso chamar a atenção para um facto de que muitas pessoas se esquecem: ser modelo plus-size não significa obrigatoriamente ser-se “gorda”

Na realidade, algumas das modelos plus-size mais reconhecidas a nível internacional não são gordinhas na vida real.

Temos sempre que ter em conta que o mundo da moda em muito se distancia do mundo real: o que é ser-se “normal” no mundo real, é ser tamanho grande no mundo da moda, considerando que os “normais” na moda são tamanhos até ao 36, e muitas modelos são rejeitadas com esse número de calças, o ideal é sempre o “size zero” – decerto já ouviram falar nisto. 

Temos como exemplo mais directo, a Whitney Thompson, vencedora da 10ª temporada do famoso reality show “America’s next top model”. Ela foi a única que participou como plus-size nessa temporada.
 
Se a virmos a passar na rua, nunca diríamos “é gordinha”. No entanto, é considerada plus-size. E este é o exemplo mais vivo de que, na moda, um simples 38 (manequim da Whitney, pelo menos durante o programa, a Tyra Banks mencionou-o várias vezes) pode ser considerado “tamanho grande”.
 
Temos também a Crystal Renn:
 
Não parece, em nenhuma das fotos, e se a víssemos a passar na rua, nunca diríamos “é gordinha”, no entanto, ela usa o “size 14” – equivalente a um 42/44 em Portugal – e, obviamente, é considerada modelo de “tamanho grande”.
 
A moda plus-size inclui, também, mulheres realmente gordinhas, como a Tara Lynn ou a Flúvia Lacerda:
 
Perguntam vocês: como podem mulheres com tipos de corpos tão diferentes – da Whitney, que para mim é magra no mundo real, à Fluvia?

Mais uma vez, repito e insisto, é importante que isto fique bem claro: na indústria da moda, um tamanho que é considerado normal no “mundo normal do dia-a-dia” pode ser considerado grande! 

Assim, nunca podemos confiar apenas no “olhómetro”. Uma rapariga que use o 40 pode, sim, ser modelo plus-size. Não temos o direito de olhá-la e julgá-la e dizer “ela não é gordinha, por isso não devia ser plus-size”. A moda plus-size nunca pretendeu que as modelos fossem – só – gordinhas, nem nunca dissemos tal coisa aqui no blog! E por isso achamos bem esclarecer este ponto! 

De resto, as modelos plus-size têm que ter os mesmos cuidados que as modelos “normais”: pele e cabelo cuidados, por exemplo. E, mais importante ainda do que as medidas em si – que essas servem apenas para dar uma “direcção” e não como uma regra restrita – é a proporcionalidade do corpo, entre o peito, a cintura e o quadril. Atitude e fotogenia são sempre factores preferenciais, claro! Afinal, a função da modelo não é mais do que vender 😉

A indústria da moda plus-size surgiu com a missão de alargar o publico-alvo da indústria da moda geral, aumentar a identificação que as mulheres reais (quando digo “reais” não significa “gordas”, mas sim, pessoas com diferentes formas corporais, sejam magras ou gordas), promover a variedade de corpos que publicitam as roupas, etc… Não para dizer que agora todas as pessoas gordas podem ser modelos e muito menos que esse é o “segredo” para se aceitarem a si mesmas. Bom…isto é um tema bastante complexo que terá de ser desenvolvido posteriormente! Mas a ideia é esta.
É, ainda, importante salientar: modelo é uma profissão como qualquer outra, no entanto pode ser alvo de susceptibilidade devido a mexer com conceitos sensíveis como imagem corporal e discriminação com base na mesma. Porém, tal como em todas as profissões, nem tudo é para todos! Ser modelo (seja convencional seja plus-size) não é para toda a gente, assim como qualquer outra profissão… professor, engenheiro, lojista, cabeleireiro… 
Não caiam no erro de pensar “sou gordinha, posso ser modelo plus-size”. A maioria de nós não é nem nunca será… isso não tem nada de mal!!! 😉
O nosso objectivo principal é: amem-se como são! 🙂
(e não é preciso ser modelo plus-size para isso acontecer…)
 

Comments

comments

One Response

  1. O que é ser ser modelo plus size e o que é preciso para ser?(atualizado) | Mulher XL

    […] uma pessoa que veste um 40 e até um 42 não é gorda… é normal”. Pois há que perceber a distinção entre a moda e o mundo real. Sim, uma pessoa que seja “normal” no mundo real pode ser considerada Plus Size na […]

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.